Os Imortais
Okina conseguiu destruir Sunagakure, tornando o vilarejo um só com as suas origens, as areias profundas do deserto. O mesmo aconteceu em Kirigakure no Sato, onde a entidade afundou a vila no oceano que o cercava. Porém, ao tentar acabar com Konoha, a inimiga da humanidade falhou sendo impedida pelos novos salvadores do mundo. Abençoados por Hagoromo, os ninjas Mako e Mordred conseguiram selar a adversária criando uma segunda lua pairando sobre o planeta. Passadas algumas semanas, uma seita antiga se reuniu procurando o local onde poderiam ressuscitar Jashin, um deus antigo. Liderados por uma mulher capaz de ouvir a voz do deus, os seguidores subiram a Cordilheira dos Deuses e encontraram uma rocha cheia de selamentos frágeis e acabaram assim liberando um novo inimigo que se diz ter muitos nomes: Kami-sama, Jashin-sama e Shaka-sama. A nova divindade absorveu os poderes da lua onde Okina foi selada e transformou-se totalmente, porém, uma quantidade estranha de chakra vazou e espalhou-se no planeta inteiro.O novo inimigo da humanidade marcou três vilarejos: Konoha, Iwa e Kumo. Mas quais são seus verdadeiros planos? E quem é a pessoa que despertou depois de muitos anos?
.
.
.
.
.
Últimos assuntos
» [Treinamento] Dividindo Dons
Hoje à(s) 03:45 por Mordred

» [T] Uta
Hoje à(s) 03:43 por Uta

» 3) Solicitações de Avaliação
Hoje à(s) 03:31 por 'Aisha

» Missões Ryo
Hoje à(s) 03:29 por 'Aisha

» 1) Solicitações de Roleplay (Plotting)
Hoje à(s) 03:11 por Victor151

» Ficha - Em construção.
Hoje à(s) 02:55 por Kádmos

» 2) Solicitações de Missões
Hoje à(s) 02:26 por Hipátia

» [BAR] Elizabeth's Bar
Hoje à(s) 02:21 por Kaginimaru

» [ Bolão - 21/06 ] Vem Hexa!
Hoje à(s) 02:14 por Aoi

» [ Bolão - 22/06 ] O Hexa é real!
Hoje à(s) 02:05 por Escanor


Convidado


22/6/2018, 04:07
Mensagens: 0
Geral
RPG
Ficha de personagem
Rank:
Perso:
HP:
CK:
ST:

Notificações
Não há notificações
Resetar as notificações

<

[Treino] Breaking the rabit

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Treino] Breaking the rabit - em 31/3/2018, 19:15



Estados da mente. A muito tempo servi talvez minhas vontades sem perceber que aquilo nada mais era que surtos de efeitos psicológicos. Talvez mais reais do que eu imaginava. Naquele dia, caminhei pelos arredores do vilarejo como quem procurava algum lugar onde poderia meditar sobre o treino daquela manhã. Nos braços eu abraçava dois livros que havia pego na biblioteca do vilarejo. Um se chamava a Arte do Genjutsu e o outro, a Arte do Ninjutsu. Quando cheguei a alguns metros do portão, encontrei uma pequena rocha que parecia ter sido cortada milimetricamente e me sentei sobre ela; abrindo o primeiro livro. A Arte do Genjutsu. Lentamente eu passava os olhos sobre aquelas ideias sobre a verdadeira arte da ilusão induzida. Em suma, via a necessidade de entender e compreender a real relação entre realidade e ilusão. A ilusão era nada mais do que um estado induzido de pensamento, onde a vitima perde a noção interina de seus sentidos, ou da realidade dos mesmos. Esses sentidos eram distorcidos por uma parte do corpo chamada córtex, onde a mudança de âmbito, no caso o efeito do genjutsu, realizava uma espécie de trava mental; isso dependendo do genjutsu utilizado. Essa ilusão, teria por experiência a habilidade de entortar a realidade ao redor da vitima a ponto de tornar a ilusão realidade e desprender a vitima da sua própria lucidez. O usuário neste caso, seria nada além de um indutor de criação, onde a ilusão era o ponto de efeito que as forças mentais do usuário teria poder para alterações. Mas a suscetibilidade da vitima dependeria da força do estado mental lançado e de sua fraqueza emocional quanto a estados alterados de consciência; nesse caso, a ilusão seria mais difícil de se descobrir. Devido a falta de entendimento desta arte, a perda de noção vinda da distinção entre realidade e ilusão, dependeria apenas do foco e determinação na qual a vitima se colocaria perante a ilusão lançada. Em nossos ciclos diários naturalmente tendíamos a entrar em estados de ilusão, principalmente em momentos onde nossas funções se tornam totalmente intuitivas, como no fato de lutarmos. Isso abria portas, ou portões mentais capazes de induzir uma determinada pessoa a ter determinados pensamentos dependendo do impulso mental enviado por determinado ponto de irradiação. Por exemplo: numa luta, dois oponentes se fitam durante alguns minutos, antes da batalha realmente começar. Esse olhar inicial, representa por si o principio de atenção e concentração inicial de uma batalha, onde ambos tentam focar nos possíveis movimentos que o mostraram sua derrota ou vitória. Se nesse instante, um dos ninjas lança sobre o outro um genjutsu capaz de mudar a perspectiva de luta do usuário, fazendo-o acreditar ser mais fraco que pensa ou retirando toda sua concentração inicial do foco que realmente se é necessário ter, o segundo ninja provavelmente, se pego pela ilusão, perderá grande parte da sua ampla visão de batalha e estará condicionado a observação de um estado induzido de criação; estado esse onde o usuário do genjutsu condiciona a vitima a reviver memórias ou a perder sua total consciência sobre seus sentidos. Em uma batalha, os sentidos são os mais valiosos armamentos em que se deve confiar, assim como a intuição. Essa que muitas vezes havia me salvo. Esse principio de realidade e ilusão, talvez se aplicasse bem a minha perceptível perda de concentração em momentos que a minha esquizofrenia brigava por me conduzir a pensar. Talvez as vozes fossem mais reais do que eu imaginava e por consequência eu as via como ilusão, assim eu diminuía a força com que elas se punham sobre mim e deixava de experimentar uma experiência de conversação talvez espiritual ou talvez mental. Tal conversação que pode se tornar assustadora, quando não se sabe por onde está indo. Como andar em um túnel escuro e durante a travessia você escutará vozes indicarem os caminhos e todas elas acreditam saber o caminho correto, mas a questão não é qual delas está certa; mas sim qual delas eu deveria acreditar? Talvez nenhuma delas.
Após uma leitura ampla sobre a arte do genjutsu pude entender o funcionamento das faculdades mentais involuntárias e que funcionam como distorção para o uso de faculdades voluntárias. Ou seja, quando a vitima está suscetível, o único modo da qual ela tem de sair deste estado é tornar-se totalmente consciente de que é uma ilusão e criar uma espécie de reação entre sua própria realidade e a ilusão. Assim como o usuário do genjutsu tende a torna-lo mais forte caso a ilusão criada tenha força de controle maior, pois seria possível a alteração de perspectivas e a vitima teria dificuldade em fazer a distinção correta entre as duas visão. Realidade e Ilusão. Talvez ambas estivessem mais próximas do que eu imaginava. A ilusão usava como principio a realidade, já que um genjutsu totalmente fora das perspectivas humanas não funcionaria bem em pessoas que perceberiam essa diferenciação rapidamente. Por exemplo, um genjutsu onde a vitima se torna um animal seria fácil de se entender e frágil em questão de efeito. Já um genjutsu onde a vitima tende a reviver um determinado momento ruim na sua vida, continuamente, sobre o efeito de sentimentos tal como a culpa, o medo e a dor, ele tenderia a perder gradativamente a habilidade em acreditar ou perceber a veracidade ou ilusão do genjutsu lançado e isso o levaria a se tornar presa fácil, quando por receio, emoções de uma ilusão tomar força e fazem a vitima acreditar que aquilo é sua verdadeira natureza naquele instante. Mais claramente, o individuo perde a perspectiva do presente por indução de um passado ou um futuro alterado, sendo esses passados ou futuros próximos ou até mesmo de tempos remotos e esquecidos. Quando se induz a força de uma ilusão à distorção da realidade, o usuário deixa a mercê sua própria mente de modo que ele seja a consciência de criação da realidade ilusória, quando na verdade ele é apenas o ponto inicial para a indução de determinado padrão de consciência no hospedeiro desejado. Isso faz dele apenas um incitador de problemáticas e não o problema em si, já que naturalmente um genjutsu se torna frágil se a vitima não se deixa afetar por seus efeitos; isso torna um genjutsu inútil para certas pessoas. Isso trouxe a mim perspectivas amplas sobre a arte do genjutsu em si. Futuramente estudaria o outro livro.

Adereços:

Kunai: 01;
Shuriken: 01;
Fuma Shuriken: 04;
Senbon: 01 a cada duas;
Kibaku Fuuda: 01 a cada quatro;
Kemuridama: 01;
Makibishi: 01 a cada cinco;
Hikaridama: 01;
Fios: 1 a cada 5m;
Ampola (Veneno, Medicamentos, etc): 01.

Mateki Presa na cintura
Rank: C
Descrição: Usando a flauta demoníaca (魔笛, Mateki), Tayuya poderia lançar genjutsu e controlar seu Doki tocando melodias específicas. Este é o único item que ela manteve com ela antes de sua reencarnação. Ela afirmou que ninguém que já ouviu o som de sua flauta morreu. Se o oponente reconhecer sua melodia, ela pode mudá-la para confundi-los. A flauta era durável o suficiente para entrar em choque com um kunai ileso, mas, no entanto, foi cortada ao meio pela técnica do vento de Temari durante sua briga com ela. No anime, Shiin implantou uma flauta muito parecida e, como Tayuya, a usou para fins de genjutsu.


Considerações:
~ Treinando +1 em Genjutsu e +1 em Inteligência.


Status:
500/500
500/500

_______________________

Filho do Inferno, onde as chamas clareiam lagrimas
e lagrimas queimam a pele...Filho do Inferno
avatar
Genin
Genin
Re: [Treino] Breaking the rabit - em 1/4/2018, 18:11

@

_______________________


Sorrio para mostrar a pressão dos Heróis, e esconder o medo dentro de mim. "
avatar
Genin
Genin

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

resposta rápida

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum